@Dindinha

Compartilhou, logo comigo, com o joelho todo ralado por causa da queda de patins em Paquetá, um link em que o presidente Vamp dá uma nota de 50 reais para o Silvio Santos: @Dindinha Para que vc tenha uma manhã silviosântica!

O dia não está fácil. Essa chuva eterna estimula a proliferação de mosquitos. Acho que o Silvio tem mais de 109 anos. Bem que ele podia presentear seus enriquecedores com aqueles terrenos. Ai que esse sangue me sujou a calça toda! Como é que vou dançar hoje à noite?

A gente faz a dança do sol todos os dias. Tudo o que aparece são tons de cinza muito claros, e eu lembro daquele livro manjado, o filme sobre o livro manjado: Ensaio sobre a cegueira. Santa Luzia, como precisamos dos olhos! Muito mais do que das referências.

Quero limpar, faxinar minhas letras, @Dindinha. Meus olhos não foram feitos para computador e celular. Maê! Tudo está tão desconexo, que às vezes eu acho que moro dentro do televisor. Ninguém mais chama televisão de televisor. Ou será que é tevê de plasma?

Será que consigo escrever três linhas sem referências populares? Sim, porque é possível escrever a palavra abacaxi. Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi… Abacaxi…

A palavra abacaxi é apenas a palavra abacaxi. E se refere à infrutescência. Óbvio que retirei essa palavra da Internet. Fui confirmar se é fruta realmente, já que tem os pedúnculos, os bulbos, os pseudofrutos. Mas quem consegue pensar em abacaxi e não lembrar do Chacrinha?

Me diz, @Dindinha, quem, em todo o país, consegue dissociar o abacaxi da Carmen Miranda e do Chacrinha, dos trópicos quentes, da Elke Maravilha dançando o Sanguinho do Joelho? Ai meu Deus, o bom dia não está fácil, mas como é maravilhoso o abacaxi do olhar silviosântico!

Álvaro Dias Cuba